Fatores de Risco e Prevenção do Câncer de Vulva

Fatores de risco 

Os principais fatores de risco para desenvolver câncer de vulva incluem lesões pré cancerígenas da vulva (chamadas deneoplasia intraepitelial vulvar -NIV), lesões pré cancerígenas de vagina (também conhecidas como NIVA) ou também as pré cancerígenas de de colo uterino (conhecidas como NIC); Idade: acima de 70 anos (maioria dos casos); história prévia de câncer de colo uterino; infecção pelo papiloma vírus humano (HPV); tabagismo, presença de doença na vulva chamada de íquen escleroso e atrófico e doenças que causam queda da imunidade,  como infecção pelo Vírus da Imunodeficiência humana (HIV).

Reduzir a exposição aos fatores de risco é a principal forma de prevenir o câncer de vulva.

A vacinação contra o HPV de alto risco reduz o desenvolvimento destas lesões pré- cancerígenas, o que diminui a incidência de câncer de vulva.

O tratamento precoce de lesões pré-cancerígenas do câncer de vulva também é uma forma importante para prevenir a lesão cancerígena propriamente. O tratamento pode ser realizado com cirurgia, laser ou uso da medicação tópica imiquimod.

Vacinação contra o HPV

A vacina contra o HPV é segura, eficaz e protege contra diversos tipos de câncer, incluindo os de colo do útero, boca, vulva, vagina, pênis, ânus.

Atualmente, há três vacinas contra o HPV: a vacina bivalente (Cervarix®) contra os HPVs 16 e 18, a vacina quadrivalente (Gardasil®), contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 e a vacina nonavalente (Gardasil® 9), que oferece proteção adicional contra os subtipos 31, 33, 45, 52 e 58.

A vacina quadrivalente faz parte do calendário vacinal do Programa Nacional de Imunizações (PNI) e deve ser administrada em duas doses, com intervalo de seis meses, a meninas de 9-14 anos e meninos de 11-14 anos. Meninas e meninos que chegaram aos 15 anos sem completar as duas doses da vacina podem também atualizar o esquema vacinal. Desde 2017, a vacina contra o HPV está também disponível para mulheres e homens vivendo com HIV, ou que sejam pacientes transplantados ou oncológicos. Em 2021, o Ministério da Saúde ampliou a indicação da vacinação para as mulheres com até 45 anos com uma destas condições. A vacina nonavalente não está disponível no Brasil.

Inscreva-se em nossa newsletter

Fique por dentro de todas as notícias e novidades do portal EVA

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Conteúdo Relacionado

Vulva

Tratamento do Câncer de Vulva

Fui diagnosticada com câncer de vulva, e agora? O tratamento do câncer de vulva envolve múltiplas equipes e modalidades de tratamento. Para os casos iniciais,

Vulva

Diagnóstico e fases da doença

Diagnóstico  O primeiro passo para o diagnóstico é a uma avaliação médica completa para analisar os fatores de risco e os sintomas, assim como o