O que é neoplasia trofoblástica gestacional?

Doença trofoblástica gestacional é uma condição que envolve a proliferação do tecido placentário no interior do útero. A mola hidatiforme é a forma benigna da doença trofoblástica gestacional. Ela é o resultado de uma fecundação anormal entre o óvulo e o espermatozóide, que dará origem à mola e não a uma gestação habitual. O risco de se tornar uma doença invasora e maligna é de até 20% dos casos, exigindo acompanhamento após o esvaziamento uterino.  A Neoplasia Trofoblástica Gestacional é uma doença invasora e maligna e é considerada a neoplasia mais curável da espécie humana quando tratada em tempo hábil e adequadamente. Diferente do câncer de colo do útero ou de endométrio, a Neoplasia Trofoblástica Gestacional não se origina a partir das células do útero, mas nas células da placenta durante a gravidez.

Epidemiologia da neoplasia trofoblástica gestacional

A prevalência da mola hidatiforme varia de 23 a 1.300/100.000 gravidezes, enquanto as formas malignas são mais raras (2,5 a 7/100.000 gestações). No Brasil, estima-se que ocorra um caso de gravidez molar em cada 200-400 gestações. Merece especial atenção o fato de o diagnóstico da Neoplasia Trofoblástica Gestacional ser feito através da dosagem seriada do exame de sangue beta-hCG (que se encontra alterado em níveis em muito mais altos comparados aos níveis de uma gestação normal) e de não necessitar de exame histopatológico (biópsia), tampouco da identificação de lesões nos exames de imagem.

A Neoplasia Trofoblástica Gestacional precoce, comumente, não apresenta manifestação clínica, é assintomática e não aparece nos exames de imagem. Por conseguinte, é fato que, na falta de seguimento rigoroso após o tratamento da mola, a Neoplasia Trofoblástica Gestacional não é suspeitada até a fase de doença avançada com metástases. Todas as formas de Neoplasia Trofoblástica Gestacional podem ser tratadas e, na grande maioria dos casos, o tratamento resulta na cura definitiva. A maioria das mulheres que tem uma Neoplasia Trofoblástica Gestacional é curada e pode ter depois uma gravidez normal!

Inscreva-se em nossa newsletter

Fique por dentro de todas as notícias e novidades do portal EVA

Compartilhe esse conteúdo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Conteúdo Relacionado

Vaginal

Tratamento do Câncer de Vagina

Quais as opções de tratamento? O tratamento do câncer de vagina pode incluir cirurgia, radioterapia e/ou quimioterapia, a depender da extensão da doença inicial (estadiamento)